Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Massa 7 dias por semana

Um blog sobre as peripécias de uma rapariguita que foi viver sozinha

Massa 7 dias por semana

Um blog sobre as peripécias de uma rapariguita que foi viver sozinha

15.07.20

(não) está tudo bem

Valerie

Há quase 1 mês que não vinha aqui. Por diversas razões.

Falta de tempo. De vontade. De pachorra. De tudo.

E hoje, para regresso, entendi vir abordar um assunto que já teve na berra há alguns dias atrás, mas que já parece estar a cair no esquecimento.

Dou-vos apenas nota de que por aqui está tudo mais ou menos bem. Continuamos a trabalhar diariamente para os sonhos dos outros, deixando morrer um bocadinho dos nossos.

Adiante.

A questão que me traz aqui hoje é a (não) saúde mental.

O País levou um grande encontrão com o falecimento do ator Pedro Lima. Acho que todos nós, que temos consciência da vida, ficámos incomodados.

Acredito que milhares de pessoas sentem, diariamente, uma dor tão profunda que colocam a hipótese de terminarem definitivamente com ela. Acredito sinceramente que sim. A vida não está fácil, tão pouco agora com o COVID, as relações estão incertas, o dinheiro é pouco, e a saúde está cada vez mais fragilizada como consequência da vida corrida que todos nós levamos ano após ano.

Eu própria já senti essa dor várias vezes. A dor que nos consome, nos martiriza, que não nos deixa em paz... Só quem passa por ela consegue ter a empatia suficiente para ser consciente. 

Nos últimos dias tenho feito demasiadas introspeções. Concluí que não estou feliz profissionalmente, não gosto do trabalho, portanto quero mudar. Concluí que não estou rodeada de tanta gente boa como sempre achei... Tenho na realidade mais lobos disfarçados de capucinho vermelho em meu redor do que ursinhos de peluche... E concluí que eu própria não estou, efetivamente bem. Não sei se é a solidão (à qual, confesso, não estava habituada), que embora adore,  mas está a ser demasiada. Não sei se é o facto de estar frustrada com o meu trabalho. Honestamente, não sei.

Resolvi marcar uma consulta com um daqueles médicos que tratam estas crises de ansiedade, que não me estão a deixar dormir, nem tão pouco ser feliz. Amanhã vou lá. Já pensei em cancelar a consulta centenas de vezes, porque penso sempre ah e tal, isto é só uma fase, isto passa... tá tudo bem, não sejas dramática... Penso muito nisto. Principalmente quando as pessoas à minha volta me chamam de hipocondriaca. 

Mas, é por achar que é só uma fase, que esta mesma fase se vem a arrastar há uns 10 anos... Com altos e baixos... E, neste momento, estamos, sem margem para dúvida, num momento muito baixo.

Os problemas que tenho com o meu corpo, também têm muito que ver com isto.

Como já referi anteriormente, o peso não tem sido o meu melhor amigo na última década... Aliás, nunca foi, mas desde que ingressei na faculdade tem sido um autêntico descalabro... E se juntarmos tudo aquilo que não está bem, tipo legumes na sopa, sobra apenas um caldo qualquer sem graça, mais ou menos grosso, consoante a quantidade de água que lá lhe juntámos... 

Conheço algumas pessoas, infelizmente, e com as quais tenho de lidar mais do que aquilo que gostava, que são arrogantes o suficiente para desvalorizar por completo estes problemas... E na nossa sociedade temos imensas pessoas dessas. Razão pela qual, em pleno século XXI, é tabu falar de doenças mentais. Essa gente são malucos.... Cambada de doidos... Deveriam ser internados...

As doenças mentais, sabem... São como a história do racismo.

Só que pelo racismo ainda há quem lute, enquanto que pelas doenças mentais, não rara vez, a morte continua a ganhar.

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.